ASPECTS OF WRITING
(Aspectos da Escrita)
©2017 Eduardo Galvani
Download



INTRODUÇÃO

A partir de um breve ensaio que desenvolvi no ano de 2016, entitulado “Significados da Existência - Linguagem, Cultura e Transformação Social”, surgiu a ideia de expandir a reflexão acerca dos “aspectos da escrita”, por então entender que a história da origem e da evolução da escrita, enquanto linguagem universal humana, pode fornecer novos elementos teóricos fundamentais para ampliar a compreensão sobre a interdependência entre aspectos da linguagem, da cultura e da estrutura social de diferentes grupos humanos.

Deste modo, desenvolvida durante o primeiro semestre de 2017, esta pesquisa sobre os aspectos da escrita baseou-se no estudo de teorias clássicas da Filosofia e da Antropologia, capazes de situar o pensamento nos contextos teóricos adequados e de orientar a reflexão a partir de conceitos e noções preexistentes, consistentes e amplamente discutidos sobre o assunto em questão.

Assim, o capítulo “Lição de Escrita”, do livro “Tristes Trópicos”, do antropólogo francês Claude Levy Strauss, e alguns capítulos fundamentais do livro “Gramatologia”, de Jacques Derrida, compuseram as referências principais do ensaio “Aspectos da Escrita” — o qual considero um capítulo complementar do ensaio "Significados da Existência" de 2016.

 

ASPECTOS DA ESCRITA

 

Conforme comentei, o ensaio entitulado “Significados da Existência - Linguagem, Cultura e Transformação Social”, escrito em 2016, baseia-se em uma análise sobre a interdependência entre aspectos da linguagem, da cultura e da dinâmica social de algumas sociedades indígenas, visando identificar possíveis "elos", estágios “evolutivos” ou “transformativos” das linguagens e da cultura que podem demarcar uma eventual condição de transição entre as sociedades com escrita e sem escrita. Esta análise permite ainda ampliar a compreensão acerca da possibilidade de diferentes grupos humanos conceberem e atribuírem significados distintos à própria existência enquanto reflexo da influência recíproca entre a forma de origem, os modos de transformação e o desenvolvimento das linguagens, da cultura e da organização social.

Porém, após concluir aquele ensaio e compreender um pouco mais sobre os modos com que o desenvolvimento cultural pode influenciar na organização e na transformação social de um determinado grupo humano, logo percebi que seria adequado investigar mais sobre os processos de origem e desenvolvimento daquela que hoje é considerada uma das formas mais universais de linguagem humana: a escrita. Pois se toda forma de escrita existente na atualidade baseia-se em elementos fundamentais e estruturantes da própria cultura humana, seus modos de origem e funcionamento podem também revelar alguns aspectos bastante interessantes sobre a origem das diferenças das estruturas culturais e sociais dos diferentes grupos humanos.

Portanto, se “Significados da Existência” conduz uma incursão teórica que permite compreender de que maneiras os diferentes modos de desenvolvimento das linguagens e da cultura podem influenciar no desenvolvimento social humano, este ensaio entitulado “Aspectos da Escrita” é especialmente dedicado a expandir o conhecimento sobre a noção de escrita enquanto forma exclusivamente humana de linguagem considerada essencial para importantes processos de desenvolvimento sócio-cultural das humanidades. Penso que complementar “Significados da Existência” com este conteúdo sobre aspectos específicos da escrita pode, além de ampliar o contexto teórico da análise, facilitar bastante a compreensão acerca das relações que promovem influências recíprocas entre a linguagem, a cultura e o desenvolvimento social dos grupos humanos.

Assim, a primeira etapa desta incursão teórica complementar será realizada a partir do capítulo “Lições de Escrita”, do livro “Tristes Trópicos”, onde o antropólogo francês Claude Levy Strauss observa algumas peculiaridades bastante interessantes sobre o fenômeno da escrita:

 

Está claro que os Nhambiquara não sabem escrever; mas tampouco desenham, com excessão de alguns pontilhados ou zig-zags em suas cabaças. Como entre os Caduveo, distribuí, entretanto, folhas de papel e lápis, de que nada fizeram no início; depois, um dia, eu os vi ocupados em traçar no papel linhas horizontais onduladas. Que queriam fazer? Tive de me render à evidência. Escreviam ou, mais exatamente, procuravam dar ao seu lápis o mesmo emprego que eu, o único que então podiam conceber, pois eu ainda não tentara distraí-los com meus desenhos. Os da maioria se resumiam nisso; mas o chefe do bando via mais longe. Apenas ele, sem dúvida, compreendera a função da escrita. Assim, reclamou-me um bloco e nos equipamos da mesma maneira quando trabalhamos juntos. Ele não me comunica verbalmente as informações que lhe peço, mas traça sobre o seu papel linhas sinuosas e mas apresenta, como se ali devesse ler a sua resposta. Ele próprio como que se ilude com sua própria comédia; cada vez em que a sua mão termina uma linha, examina-a ansiosamente, como se a significação devesse brotar, e a mesma desilusão se pinta no seu rosto. Mas não a admite; está tacitamente entendido entre n6s que os seus riscos possuem um sentido que eu finjo decifrar; o comentário verbal segue-se quase imediatamente, e me dispensa de pedir as esclarecimentos necessários. … A escrita tinha, pois, feito a sua aparição entre os Nhambiquara; mas não, como se poderia imaginar, ao cabo de um aprendizado laborioso. Seu símbolo fora apropriado, enquanto sua realidade continuava estranha. E isso para um fim sociológico mais do que intelectual.“ (STRAUSS, L. PP. 314).

 

Apesar de que aqueles Nhambiquara tenham demonstrado certo interesse pelo lápis e pelo papel — embora eles não soubessem escrever e tampouco tivessem conhecimento destes objetos antes, conforme afirma Strauss — o sentido de sua ação ao manipular tais objetos evoca uma atitude puramente mimética em relação ao comportamento de Strauss. É deste modo que, entre aqueles Nhambiquara, naquele momento, torna-se evidente o caráter da escrita enquanto mera performance simbólica, na qual a instrumentalidade transita de sua função mnemônica para puro simbolismo performático. É nesta condição, ao transcender sua função original e atribuir diferenciação — ou mesmo determinados poderes sociológicos — a quem a domina, que a escrita revela uma força mágica através da qual ela própria torna-se também uma instituição ou ferramenta de domínio sócio-cultural. "Coisa estranha a escrita!”, exclama o próprio Strauss no momento em que parece compreender tal fenômeno, ao qual descreve considerando que “sua aparição não podia ter deixado de determinar profundas modificações nas condições de existência da humanidade; e que essas transformações deviam ser sobretudo de natureza intelectual. A posse da escrita multiplica prodigiosamente a aptidão dos homens para preservar os conhecimentos.” (STRAUSS, L. PP. 317).

A meu ver, é neste sentido, assemelhando-se a uma “memória artificial, cujo desenvolvimento devia acompanhar-se de melhor consciência do passado, logo, de uma maior capacidade para organizar o presente e o futuro.” (STRAUSS, L. PP. 317). — nos termos propostos pelo próprio Strauss —, que a escrita revela seu autêntico e amplo potencial de influência cultural e, consequentemente, de transformação social.

 

Depois que se eliminaram todos os critérios propostos para distinguir a barbárie da civilização, gostaríamos de reter pelo menos esse: povos com ou sem escrita, uns capazes de acumular as aquisições antigas e progredindo cada vez mais depressa para a finalidade que se propuseram, enquanto outros impotentes para reter o passado além da franja que a memória individual consegue fixar, continuariam prisioneiros de uma história flutuante a que sempre faltariam uma origem e a consciência duradoura de um projeto.“ (STRAUSS, L. PP. 317).

 

Entretanto, se Strauss sugere uma clara divisão (civilização-barbárie) entre povos com e sem escrita, é aconselhável ter prudência quando pensamos nas consequências sócio-culturais do desenvolvimento das linguagens escritas. Pois se as primeiras concepções podem nos conduzir a uma rápida dedução de que todo o processo de desenvolvimento da civilização humana é consequência da invenção da escrita, existem neste processo algumas etapas e variáveis que explicam melhor o modo que teria ocorrido tal fenômeno, e sobre isto Strauss também destaca alguns aspectos que parecem fundamentais:

 

Uma das fases mais criadoras da história da humanidade se situa no neolítico: responsável pela agricultura, a domesticação dos animais e outras artes. Para chegar a isso, foi preciso que, durante milênios, pequenas coletividades humanas observassem, experimentassem e transmitissem o fruto de suas reflexões." (STRAUSS, L. PP. 317).

Desta maneira, Strauss enfatiza o momento pré-histórico (pré-escrita) onde alguns grupos humanos teriam experimentado importantes avanços artísticos e tecnológicos, apesar de que ainda desconhecessem “a escrita”. Estaria então a própria “invenção” ou “descoberta” da escrita situada também em algum ponto específico deste momento na escala temporal do desenvolvimento da civilização humana? Mas então que ponto seria este? — se é que para isto é possível apontar um único ponto no espaço-tempo. O próprio Strauss — e também alguns indícios encontrados em teorias que investigamos anteriormente na primeira parte deste ensaio(1) —, sugerem que determinadas situações paralelas na história da humanidade podem remeter à criação quase simultânea de variadas formas intermediárias daquilo que hoje se reconhece por “escrita”. A princípio, conforme também sugere Strauss, sabemos ainda que se a escrita não é imprescindível para a criação de grandes impérios temporários, ela é de fato essencial para a manutenção prolongada de grandes domínios geográficos e políticos, e, certamente, fundamental para o desenvolvimento científico dos séculos XIX e XX.

Mas de que modo exatamente teria surgido a primeira forma de escrita? É possível identificar algum mecanismo causal capaz de explicar completamente sua origem e transformações? Se sim, quais seriam as características mais relevantes deste enigmático processo de desenvolvimento? Assim, quando pensamos na história da evolução da escrita, é importante tentar situar esta análise no contexto de origem daquelas que podem ser consideradas as primeiras formas genuínas de escrita — afinal, em virtude da sua plasticidade estrutural, além da “escrita segmental por alfabeto” que hoje nas grandes civilizações do Ocidente é considerada a mais comum, existem outros inúmeros tipos de escrita. Deste modo, outro aspecto importante de considerar é que apesar desta análise propor uma perspectiva antropológica sobre os aspectos da escrita, o caráter sistemático inerente a todas as formas de linguagens escritas pode ser melhor compreendido com o auxílio de proposições da Psicologia, da Filosofia e da História, motivo pelo qual este texto sugere algumas referências destas disciplinas.

Assim, se algumas das outras teorias que investigaremos mais adiante podem trazer novas pistas valiosas sobre a origem das primeiras formas de escrita, entretanto, antes de examinar melhor estas outras variáveis dos possíveis processos de origem e desenvolvimento das linguagens escritas, é importante salientar novamente que a “escrita segmental por alfabeto” é apenas um dos sistemas de escrita fonética existentes na contemporaneidade, o qual se pode considerar mais complexo em relação a outros sistemas de escrita conhecidos (pictórica, ideográfica, hieroglífica, hierática e demótica, por exemplo). Desta maneira, a partir da compreensão das origens daquelas que seriam as primeiras formas de escrita, e da comparação com aspectos estruturais da escrita fonética segmental por alfabetos, podemos tentar decifrar também seus outros possíveis estágios de progressão e variações que, ao longo do tempo, podem ter influenciado outros modos de desenvolvimento cultural e social humano. Neste sentido, se os egípcios e os chineses desenvolveram escritas essencialmente simbólicas, a primeira versão de escrita fonética alfabética da qual se tem conhecimento teria surgido entre os povos fenícios em aproximadamente 2.000 A/C. A invenção do sistema de escrita fonética por alfabeto é atribuída à necessidade da criação de símbolos sonoros capazes de serem utilizados em palavras diferentes com significados distintos — fato que também possibilitou a criação do sistema de escrita silábica. Assim, quais as distinções mais relevantes nos modos de organização social e cultural entre os chineses, os egípcios e os fenícios que poderiam ser atribuídas aos diferentes modos de escrita que dominavam suas sociedades, por exemplo?

Sobre as capacidades de influência sócio-cultural da escrita, Strauss questiona o seguinte: “A que grande inovação está ligada? No plano da técnica, quase que só se pode citar a arquitetura. Mas a dos egípicios ou dos sumerianos não era superior às obras de certos americanos que ignoravam a escrita no momento da descoberta.” (STRAUSS, L. PP. 317). Além de pressupor que a arquitetura pode ter ampliado consideravelmente seu potencial de influência sócio-cultural após a invenção da escrita, esta questão de Strauss demonstra também que se a invenção da escrita pode ter ocorrido de forma simultânea e semelhante em diferentes lugares e entre diferentes povos humanos, entretanto, alguns outros aspectos sócio-culturais destes povos poderiam ter contribuído para que a escrita fosse ou não adotada, com maior ou menor intensidade, enquanto instrumento para a transmissão e o acúmulo sistemático do conhecimento, por exemplo.

 

Sem dúvida, mal se poderia conceber o desenvolvimento científico dos séculos XIX e XX sem a escrita. Mas essa condição necessária não é suficiente para explicá-lo. Se se quiser pôr em correlação o aparecimento da escrita com certos traços característicos da civilização, devemos procurar em outra direção. O único fenômeno que fielmente a acompanhou foi a formação das cidades e dos impérios, isto é, a integração num sistema político de um número considerável de indivíduos e sua hierarquização em castas e em classes. Tal é, em todo caso, a evolução típica a que assistimos, desde o Egito até a China, no momento em que a escrita faz a sua aparição: ela parece favorecer à exploração dos homens antes de iluminá-los.” (STRAUSS. p. 318).

 

Deste modo, Strauss destaca a importância de compreender que apenas o domínio da escrita pode não ser suficiente para explicar determinadas características das diferentes formas de organização e de civilização humana, o que explica de certa maneira o fato de que alguns povos que dominavam a escrita não atingiram determinados estágios de complexidade em sua estrutura social. Sobre isto, Strauss considera um dos potenciais ambíguos da escrita, que pode ser tanto um instrumento sociológico para a exploração dos homens pelos homens, como também pode promover a emancipação intelectual e o desenvolvimento sócio-cultural humano. Assim, diferentes estágios de desenvolvimento civilizatório promovidos após o domínio da escrita podem variar sob a influência de outros aspectos sócio-culturais relevantes, ao que se pode incluir a mitologia e a cosmologia originais de cada grupo, as quais certamente influenciam na configuração das instituições e nas tradições econômicas e políticas de cada grupo humano.

No entanto, visando na medida do possível manter as “ideias claras e distintas” acerca do assunto que estamos investigando, e assim garantir que o raciocínio e o curso desta investigação permaneçam longe de outras veredas convidativas do pensamento, retornando a um dos pontos centrais de nosso interesse neste texto — sobre de que maneira teria surgido a primeira forma de escrita —, neste momento parece conveniente assumir que, diferente de tentar propor uma versão definitiva ou absoluta acerca das origens da(s) escrita(s) — algo que na verdade me parece improvável —, a intenção aqui é apenas organizar um outro ponto de partida teórico possível para investigar o tema da “escrita” com base em suposições já compartilhadas por outros que se dispuseram a estudar o mesmo fenômeno, as quais acredito que podem conduzir a deduções plausíveis acerca dos prováveis modos com que determinados fatores teriam contribuído para a origem da escrita “original”, e para sua evolução até os inúmeros sistemas de escrita tais quais os conhecemos na atualidade.

Deste modo, para prosseguir com as investigações neste sentido, proponho agora uma breve incursão nas ideias discutidas pelo filósofo Jacques Derrida em seu livro “Gramatologia”, onde desenvolve uma análise densa acerca de alguns princípios da escrita que ele parece considerar fundamentais para a eventual estruturação de uma possível “ciência da escrita”, ou da própria “gramatologia”. Assim, ao relacionar algumas ideias que o também filósofo Jean-Jacques Rousseau apresentou no “Ensaio sobre a origem das línguas”, Derrida reflete sobre alguns fenômenos e elementos estruturantes da escrita enquanto técnica universal, e considera de imediato a importância de pensar sobre isto a partir de categorias filosóficas clássicas como “a história das ideias”, “a história da literatura” e “a história da filosofia”, às quais ele busca então interpretar a partir de um método que contrasta o que denomina de figura estrutural das linguagens com a totalidade histórica das linguagens. Tal perspectiva de análise é identificável já em uma das primeiras citações do seu livro:

Esses três modos de escrever correspondem com bastante exatidão aos estados pelos quais se podem considerar os homens reunidos em nação. A pintura dos objetos convém aos povos selvagens; os signos das palavras e das orações, aos povos bárbaros; e o alfabeto, aos povos policiados.” Jean-Jacques Rousseau, em Ensaio sobre a origem das línguas.


E é deste modo, com expressivas citações, incluindo esta de Rousseau, acompanhada da seguinte frase extraída de “Enciclopédia”, de Hegel: “A escritura alfabética é em si e para si a mais inteligente.”, que Derrida inicia a epígrafe de “Gramatologia”. Com isto, a intenção auto-declarada do autor é demonstrar de imediato que o etnocentrismo “em qualquer tempo e lugar” exerce nítidas influências sobre a técnica da escrita, e que o logocentrismo — “a metafísica da escrita fonética”, ou “a versão mais original e poderosa do etnocentrismo” — é capaz de influenciar tanto a escrita quanto a história da metafísica e a lógica científica de um determinado povo.

A partir destes pressupostos, Derrida fundamenta seu pensamento acerca da “gramatologia”, considerando ainda que a história da metafísica, desde a época antiga, com Platão, até a contemporaneidade, tende a promover contrastes entre a escrita e a fala “plena”, e que uma possível “ciência da escrita” (a gramatologia) talvez seja concebível apenas quando se considere as limitações técnicas e epistemológicas, os obstáculos teológicos e metafísicos, e, certamente, as inevitáveis dinâmicas transformativas — ou nos termos do próprio Derrida, a natureza “histórico-metafísica” — da escrita.

Assim, logo no primeiro capítulo, entitulado “A Escrita Pré-Literal”, Derrida expõe suas percepções acerca da convenção ou conversão conceitual através da qual a própria noção ocidental contemporânea de linguagem evoca de um modo geral a ideia de língua (o som ou a fala) como sendo uma simples forma ou deformação da “escrita primeira”, e que apesar de que esta noção do senso comum pode, para alguns, parecer mais fundamental do que aquela de Rousseau que propõe a escrita como um “mero suplemento” da fala, é neste sentido que Derrida parece se propor a pensar — com a premissa de que, para isto, é necessário antes elaborar uma nova lógica para o conceito de “suplemento” — conforme evidencia no trecho a seguir:

 

Ou a escrita nunca foi um mero “suplemento” da fala, ou é urgente construir uma nova lógica do “suplemento”. … O sistema do “ouvir-se falar” através da substância fônica — que se dá como significante não-exterior, não-mundano, portanto não-empírico ou não-contingente — teve de dominar durante toda uma época a história do mundo, até mesmo produziu a ideia de mundo, a ideia de origem do mundo a partir da diferença entre o mundano e o não-mundano, o fora e o dentro, a idealidade e a não-idealidade, o universal e o não-universal, o transcedental e o empírico, etc. … Com um sucesso desigual e essencialmente precário, esse movimento teria tendido aparentemente, como em direção ao seu telos, a confirmar a escrita numa função segunda e instrumental; tradutora de uma fala plena e plenamente presente (presente a si, a seu significado, ao outro, condição mesma do tema da presença em geral), técnica a serviço da linguagem, porta-voz (porte-parole), intérprete de uma fala originária que nela mesma se subtrairia à interpretação. … Técnica a serviço da linguagem: não recorremos aqui a uma essência geral da técnica que já nos seria familiar e que nos ajudaria a compreender, como um exemplo, o conceito estreito e historicamente determinado de escrita. Ao contrário, acreditamos que um certo tipo de questão sobre o sentido e a origem da escrita precede ou pelo menos se confunde com um certo tipo de questão sobre o sentido e a origem da técnica. É por isso que nunca a noção de técnica simplesmente esclarecerá a noção de escrita.” (DERRIDA, Jean-Jacques. P. 9,10)

 

Se para Derrida não parece haver uma única correlação específica e/ou obrigatória entre as origens da fala e as origens da técnica da escrita, ele sugere que quando o exercício teórico de pensar a linguagem a partir das relações entre fala e escrita vai além de uma simples associação histórica entre a técnica e a metafísica logocêntrica, pode evidenciar aspectos essenciais destas relações, como por exemplo o fenômeno da “morte da fala”, no sentido não de seu desaparecimento, mas de sua então subordinação à estrutura da escrita, o que para ele próprio representa “uma nova mutação na história da escrita — e na história como escrita.” (Este fenômeno relembra o conto fantástico de Frankenstein, que após ter sido concebido fez refém ao seu próprio criador: agora, a escrita, se “concebida pela fala”, também teria tornado-se então capaz de assumir o controle desta última).

Ainda sobre estes aspectos essenciais das relações entre fala e a escrita, Derrida evidencia também o caráter mnemônico, ou a essência simbólica, icônica e memorativa da escrita, quando afirma que a história (istória) e o saber (episteme), enquanto resultados da instrumentalização da escrita, representam “desvios (da fala) que objetivam a reapropriação de uma certa presença”. Entretanto, sugere que se alguns podem considerar que a escrita fonética é a única responsável pela “grande aventura metafísica, científica, técnica e econômica do Ocidente”, afirma que é conveniente investigar também o próprio conceito de “racionalidade” a partir de uma dimensão teórica que considera uma “conjunção não fortuita entre cibernética e ciências humanas”, ou, em outras palavras, a partir da noção de significação da verdade.

Neste sentido, se hoje para alguns pode parecer difícil pensar a noção de "racionalidade" sem considerar também as ideias de Comte, Descartes ou Bacon, podemos pensar sobre de que maneiras algumas características atribuídas à própria ideia de "racionalidade" podem elucidar mais sobre a origem da escrita, no sentido de que a escrita, em sua condição “ampliada” e “radicalizada”, conforme observa Derrida, depende da “construção” de ideias, e, além disso, a escrita permite também a criação de métodos para a construção (e a desconstrução) sistematizada destas ideias (sendo este talvez um dos princípios fundamentais da própria ciência enquanto episteme).

Se ainda é difícil vislumbrar em detalhes as funções cognitivas (e talvez sócio-culturais) que teriam conduzido o processo de origem e desenvolvimento da primeira forma de escrita — e também de esclarecer a dúvida se esta primeira forma de escrita (pictórica) teria origem anterior, simultânea ou posterior à própria fala —, algumas destas considerações de Strauss e Derrida que vimos até aqui já nos permitem compreender melhor alguns aspectos deste processo, e auxiliam também a situar o pensamento em contextos teóricos adequados para prosseguir nossa investigação no sentido de esclarecer melhor tais situações. A priori, por dedução, se considerar que as culturas humanas contemporâneas mais difundidas, tanto no Ocidente quanto Oriente, adotam por princípio pedagógico a noção de que a fala é ensinada e apreendida antes da escrita, isto pode caracterizar um simples reflexo de um princípio que talvez seja natural. Afinal, parece mesmo mais fácil elaborar representações visuais (simbolizar) a partir de algo que você já compreendeu (ouviu, pensou e falou) antes.

Assim, quando Derrida prossegue em sua investigação sobre a racionalidade, considera algumas proposições de Aristóteles (“Da Interpretação”) bastante esclarecedoras acerca das possíveis origens da fala, que além de ajudar a compreender se a escrita surgiu antes, no mesmo momento ou depois da fala, pode contribuir para compreender também a origem de alguns dos princípios mais básicos compartilhados por incontáveis sistemas de escrita existentes na atualidade. As considerações de Derrida referem-se também à sua percepção de que as formas de escrita “ampliadas” e “radicalizadas” (ou, em outras palavras, todas as formas apreendidas mas "não-naturais" de escrita) não possuem uma origem direta no logos — conjunto de princípios a partir dos quais orienta-se a busca da verdade a partir de um estilo de pensamento que busca atribuir um sentido lógico às coisas reais e factíveis através das capacidades perceptivas e da racionalidade. Para Derrida, na essência da origem da fala é onde localiza-se a relação entre o logos e a phoné, fundamental para promover a interpretação, ou a criação e atribuição de significados e de sentidos à realidade:

 

Todas as determinações metafísicas da verdade, e até mesmo a que nos recorda Heidegger para além da onto-teologia metafísica, são mais ou menos imediatamente inseparáveis da instância do logos ou de uma razão pensada na descendência do logos, em qualquer sentido que seja entendida: no sentido pré-socrático ou no sentido filosófico, no sentido do entendimento infinito de Deus ou no sentido antropológico, no sentido pré-hegeliano ou no sentido pós-hegeliano. Ora, dentro deste logos, nunca foi rompido o liame originário e essencial com a phoné.” (DERRIDA; p. 13)

 

A origem desta relação entre o logos e a phoné, Aristóteles atribui a um diálogo entre a “alma” humana (aquela que percebe a realidade de forma imediata por proximidade e semelhança natural) e a voz (a phoné, ligada ao logos enquanto pensamento que traduz e simboliza esta mesma realidade), a partir do qual a mesma realidade é significada. Sobre isto, Derrida observa que se entre a “alma” e a realidade ocorre uma relação de tradução ou significação natural, entre a alma e o logos ocorre uma relação de simbolização convencional:

 

E a primeira convenção, a que se referiria imediatamente à ordem da significação natural e universal, produzir-se-ia como linguagem falada. A linguagem escrita fixaria convenções, que ligariam entre si outras convenções.” (DERRIDA; p. 13)

 

Parece plausível esta suposição de Derrida, a de que fixar as convenções da linguagem falada seria uma das funções primordiais da escrita. Com isto, se por motivos óbvios Derrida não restringiu sua investigação ao âmbito da Psicologia, ou da dimensão ética e política que representa o ato volitivo-cognitivo do qual depende toda capacidade humana de atribuição de significados à realidade — e apenas a partir do qual é possível superar o estado de indecisão acerca da significação das coisas —, evidencia que este aspecto sistemático e “cibernético” do pensamento humano é fundamental para a compreensão de ambos os fenômenos: tanto da fala, quanto da escrita.

Neste sentido, alguns outros princípios fundamentais da fala e da escrita também são observados por Derrida nos capítulos seguintes de “Gramatologia”, onde trata, por exemplo, sobre uma questão discutida por Rousseau no capítulo “Da escritura” do “Ensaio sobre a origem da línguas” acerca da “metáfora originária”, ponto de origem da fala que teria surgido como suplemento da acentuação pela articulação:

 

Insere-se no ponto em que a linguagem começa a articular-se, isto é, nasce de carecer-se a si mesma, quando seu acento, marca nela da origem e da paixão, apaga-se sob esta outra marca de origem que é a articulação. Segundo Rousseau, a história da escrita é efetivamente a da articulação. O vir-a-ser-linguagem do grito é o movimento pelo qual a plenitude falada começa a tornar-se o que ela é perdendo-se, escavando-se, quebrando-se, articulando-se. O grito vocaliza-se começando a apagar a fala vogal.“ (DERRIDA; p. 329)

 

É assim, através deste mesmo processo ao qual Rousseau atribui a capacidade de substituir os sentimentos pelas ideias, que a escrita torna-se um suplemento da fala. E na medida em que a escrita evolui, Rousseau sugere que ela também eleva seus potenciais de obliterar acento e articulação:

 

O progresso da escrita é, portanto, um progresso natural. E é um progresso da razão. (…) O natural, o que era inferior e anterior à linguagem, age a posteriori na linguagem, opera nela depois da origem e nela provoca a decadência ou a regressão. (…) Ora, em que consistem a justeza e a exatidão da linguagem, esta morada da escrita? Antes de mais nada na propriedade. Uma linguagem justa e exata deveria ser absolutamente unívoca e própria: não-metafórica. A língua escreve-se, pro-regride à medida que domina ou apaga em si a figura. Isto é, a sua origem. Pois a linguagem é originalmente metafórica. Ela o é, segundo Rousseau, devido à sua mãe, a paixão.” (DERRIDA; p. 330)


No entanto, compreender a metáfora enquanto princípio original da linguagem (falada e escrita) é uma tradição filosófica à qual Derrida associa Rousseau e também Vico, diferenciando-os, no entanto, em certos aspectos de Warburton — o qual sugere que a metáfora originária “não vem em absoluto, como se supõe geralmente, do fogo de uma imaginação poética” — e de Condillac, para o qual “a fala, sucedendo à linguagem de ação, conservou o seu caráter. Esta nova maneira de comunicar nossos pensamentos não podia ser imaginada a não ser sobre o modelo da primeira. Assim, para ocupar o lugar dos movimentos violentos do corpo, a voz elevou-se e abaixou-se por intervalos muito sensíveis.”. (DERRIDA; p. 333) Se tais proposições parecem óbvias, apesar disso, Derrida salienta ainda alguns outros detalhes relevantes acerca desta fenomenologia:

 

Esta analogia e esta continuidade são incompatíveis com as teses de Rousseau quanto à formação das línguas e quanto às diferenças locais. Tanto para Condillac como para Rousseau, o norte convida sem dúvida à precisão, à exatidão e à racionalidade. Mas por razões inversas: o distanciamento da origem aumenta a influência da linguagem de ação para Rousseau, ele a reduz para Condillac, desde que tudo começa segundo este pela linguagem de ação, continuada na fala: “A precisão do estilo foi conhecida muito mais cedo entre os povos do norte. Por um efeito do seu temperamento frio e fleumático, abandonaram mais facilmente tudo o que estava marcado pela linguagem de ação. Em outros lugares, as influências desta maneira de comunicar os pensamentos conservaram-se por muito tempo.” (DERRIDA; p. 330)


É a partir destas noções que Derrida prossegue sua investigação no intuito de decifrar alguns aspectos deste processo de transição do “discurso poético metafórico” para o “discurso objetivo absoluto”, considerando que:

 

…os primeiros substantivos não foram nomes comuns, mas sim nomes próprios. O próprio absoluto está efetivamente na origem: um signo para cada coisa, um representante para cada paixão. (…) Mas isto só é verdade com respeito aos categoremas, o que deveria suscitar mais de uma dificuldade lógica e linguística. Pois o substantivo como nome próprio não é o primeiríssimo estado da língua. (…) O nome não pode aparecer sem o verbo. Depois de uma primeira etapa, durante a qual o discurso é indiviso, cada palavra tendo “o sentido de uma proposição inteira", o nome surge simultaneamente ao verbo. É a primeira cisão interna da proposição que abre o discurso. Neste momento, de nome só há o próprio. De modo verbal, só o infinitivo. De tempo só o presente." (DERRIDA; p. 341)


Estes aspectos, que correspondem ao processo de obliteração entre a linguagem de ação e a linguagem estrutural, revelam características essenciais dos estágios de desenvolvimento das primeiras linguagens humanas, e que nos permitem vislumbrar de que maneiras teriam ocorrido possíveis intercâmbios de alguns dos princípios universais que constituem tanto a linguagem falada quanto a linguagem escrita. Entretanto, se algumas destas particularidades observadas sugerem que, ainda que diferentes tipos de linguagens (tanto a falada quanto a escrita) possam ter sido desenvolvidas de modo isolado e simultâneo em diferentes lugares e momentos pré-históricos por diferentes grupos humanos, estas teriam sido desenvolvidas a partir das relações com os próprios estilos de pensamento de cada grupo.

Portanto, ao relacionar as concepções de Strauss sobre os efeitos e contra-efeitos sócio-antropológicos da escrita, com os conceitos filosóficos discutidos por Derrida acerca das origens primárias e do caráter suplementar da escrita, compreendemos melhor o caráter universal de princípios perceptivos (percepções espaciais e temporais) e cognitivos (interpretação e significação) que permitiram o desenvolvimento de tais linguagens, das suas capacidades de variação e, com isso, os modos com que tais princípios podem influenciar (e serem influenciados) em diferentes estruturas sociais e culturais. Com isto, podemos agora afirmar com mais segurança que é a essência híbrida (natural e cultural) e dinâmica das linguagens, e do próprio pensamento, que possibilita a cada grupo humano desenvolver modos distintos de comunicar, de atribuir e de organizar os valores econômicos e políticos da vida, logo, de interpretar ou significar a própria realidade.

 

NOTAS

(1) No texto “Rotas de Transformação”, investigado na primeira parte deste ensaio, encontramos referências aos povos Tukano e Arawak, habitantes das regiões do alto do Rio Negro, que cultivam alguns ritos, princípios e mnemotécnicas que mesclam a transmissão oral e visual de sua cultura e mitologia, os quais podem ser associados com estágios intermediários do processo de criação ou invenção da escrita contemporânea por alfabetos.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos - Editora Anhembi - São Paulo (1957).
DERRIDA, Jacques. Gramatologia - Editora da Universidade de São Paulo (1973). 


 

© 2017 Eduardo Galvani.
Proibida a reprodução integral sem a autorização expressa do autor.

Contato, críticas, sugestões e comentários:
edugalvani@gmail.com